quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Atlas do Universo

(O Universo com 50.000 Anos Luz - A Galáxia Via-Láctea)

Uma pequena parte é este mapa que mostra a Via-Láctea por inteiro - uma galáxia espiral com pelo menos 200 bilhões de estrelas. Nosso sol está enterrado profundamente dentro do braço de Orion, a aproximadamente 26 000 anos-luz do centro. Em direção do centro da galáxia as estrelas ficam cada vez mais perto umas das outras do que onde nós vivemos. Observe também a presença de pequenos cúmulos globulares de estrelas, que se encontram bem fora do plano da galáxia, e observe ainda a presença de uma galáxia anã - anã de Sagittarius, que está sendo engolida lentamente por nossa própria galáxia.

http://www.atlasoftheuniverse.com



terça-feira, 30 de outubro de 2007

Por dentro do som de David Gilmour


Que o Pink Floyd é uma das maiores bandas de todos os tempos é um fato inquestionável e não está aberto a discussões.
E um dos motivos para esse grado de sucesso é a guitarra de David Gilmour.

E como ele conseguia extrair esses sons? É o que tenta mostrar o seguinte site, que analisa o equipamento (guitarras, amplificadores e efeitos) usado em cada disco do grupo.

http://www.gilmourish.com

Sergio Maggi
INFO etc. O Globo

Anam Glas no Forte de Copacabana


segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Acredite, vivemos no melhor dos mundos

“Nenhum vento é favorável para o marinheiro que não sabe para onde ir”, disse o filósofo Sêneca. A desorientação que marca nossa vida pós-industrial também deriva de nossa incapacidade de traçar as coordenadas de nosso presente e definir com lucidez os portos de nosso futuro. O que acontece então é que as relações sociais e a tenacidade de atingir objetivos se atenuam. Nós nos tornamos apáticos e nosso estilo de vida se torna banal.

É claro que nem todos reagem do mesmo modo: os de personalidade forte transformam sua desorientação em busca criativa. Mas os de personalidade fraca perdem a confiança em si mesmos e nos outros. É essa a encruzilhada que nos aguarda. Creio que foi o escritor argentino Jorge Luis Borges quem disse: “Quando chegar a uma encruzilhada, entre nela”. Mas como seguir por um caminho que ainda não foi traçado? Em que balizas podemos confiar para reduzir nossa desorientação?

Apesar disso tudo, ainda podemos nos apoiar em algumas certezas tranqüilizantes: a cada ano, conforme lembrei num artigo anterior, o Produto Interno Bruto do planeta cresce, em média, 3%. Nunca antes a vida humana teve duração tão longa. Nunca pudemos produzir tantos bens e tantos serviços com tão pouco esforço físico. Nunca as minorias foram tão respeitadas. Nunca tantos cidadãos estiveram inseridos na gestão da coisa pública. Nunca tivemos, como hoje, a capacidade de debelar a dor física. Ante um sistema social cada vez mais complexo, dispomos de informatização e tecnologia cada vez mais aptas a dominar essa complexidade.

Além dessas confortantes certezas, a orientação poderia vir da promoção da sabedoria e da alegria da beleza: duas coordenadas que o mundo clássico – de Sócrates a Sêneca – cultivou com toda a sua prodigiosa criatividade e que ainda hoje permitem traçar um bom itinerário a quem se aventura na pós-modernidade.

Essas duas coordenadas possibilitam que coloquemos cada coisa em seu justo lugar na escala de valores, sem nos deixar atropelar pela manipulação da mídia em geral, que nos induz a supervalorizar o fútil e ignorar o essencial. Elas nos permitem controlar a infindável necessidade de riqueza e poder, para trazer nossa atenção para necessidades fundamentais de introspecção, amizade, amor, divertimento e convivência.

No final, a promoção da sabedoria e a alegria da beleza conseguem revelar, por trás de cada razão para o medo, também uma ocasião para a esperança. A explosão demográfica pode ser desfeita por um atento controle de nascimentos. As ondas migratórias podem compensar nosso declínio demográfico com novas forças de trabalho e novas importações culturais. A tecnologia moderna, que provoca desocupação quando acolhida sem critérios, pode assegurar o bem-estar e o tempo livre pode ser introduzido com discernimento. Os movimentos ambientalistas podem manter viva a consciência ecológica. Os novos instrumentos disponíveis para garantir a transparência podem construir uma muralha contra a violência e a corrupção.

Para ativarmos a força benéfica das mudanças e para conquistarmos nossa bússola orientadora, será preciso que nos armemos de uma utopia positiva, feita de fantasia e realidade, de emoções e de regras. É preciso convencer-se de que o nosso não é o melhor dos mundos possíveis, mas que nos resta o melhor dos mundos que já existiu.

Domenico de Masi
Sociólogo da Universidade La Sapienza, em Roma
Época, Ed. 493 - 29/10/2007

domingo, 28 de outubro de 2007

Octubre Rojo, marea negra

90 aniversario de la Revolución bolchevique

Rémi Kauffer, profesor de la prestigiosa Escuela de Ciencias Políticas, de París, ponía el dedo en la llaga, en uno de los últimos números del Magazine de Le Figaro : «En 1917, el golpe de Estado promovido por Lenin instaura una de las tiranías más criminales de la Historia. ¿Por qué nuestra época, tan dada a denunciar cualquier totalitarismo, excusa el que supuso el comunismo?»

El 25 de octubre de 1917, las tropas bolcheviques toman el Palacio de Invierno, en San Petersburgo, sede entonces del Gobierno provisional de Kerenski, tras el derrocamiento del zar Nicolás II. Por primera vez en la Historia -y no sería la última- se escenificó la imposición, por la fuerza, de las tesis de Marx y de Engels. El triunfo del comunismo no fue, ni ha sido nunca, el triunfo de la democracia. Y es que éste es un dato a tener en cuenta: el comunismo nunca ha llegado al poder por medios democráticos, sino que, ha surgido de un movimiento revolucionario. Nunca se ha caracterizado por el diálogo ni la tolerancia hacia el disenso, sino más bien todo lo contrario. El libro negro del comunismo, una investigación exhaustiva realizada por Stéphane Courtois, director de investigaciones del Centre national de la recherche scientifique francés, sobre el número de personas que se ha llevado por delante el marxismo en su ascenso al poder, en diferentes partes del mundo, cifra en cien millones los asesinados por la causa.

Los números son escalofriantes: 20 millones de muertos en la Unión Soviética, 65 millones en la República Popular China, 1 millón en Vietnam, 2 millones en Corea del Norte, 2 millones en Camboya, 1 millón en los regímenes comunistas de Europa oriental, 150.000 muertos en Iberoamérica, 1.700.000 asesinados en África, 1.500.000 en Afganistán, y cerca de 10.000 muertes promovidas en todo el mundo por organizaciones comunistas que al final no alcanzaron sus objetivos. Los números son indiscutibles; y los hechos, también. En los lugares en los que los comunistas se alzaron con el poder, siempre bajo el formato revolución, además de eliminar a los disidentes, borraban cualquier rastro de libertad en la economía, en las relaciones personales y sociales, y en la vida cultural. Václav Havel, primer Presidente de Checoslovaquia tras la caída de la dictadura comunista, decía: «El comunismo distaba mucho de ser simplemente la dictadura de un grupo de gente sobre otra. Era un sistema genuinamente totalitario, llegaba a todos los aspectos de la vida y deformaba cualquier cosa que tocaba, incluidas las formas naturales en que la gente vive su vida en común. Afectaba profundamente a todas las formas de conducta humana. Durante años, una estructura específica de valores y modelos de comportamiento se fue creando deliberadamente en la conciencia de la sociedad. Era una estructura pervertida, que iba en contra de todas las tendencias naturales de la vida».

La táctica de los comunistas fue seguir siempre la estrategia de tierra quemada, en la obsesión por crear un mundo nuevo, un mundo rojo. Para conseguirlo, el método era desenraizar al individuo, arrancarle de su tierra, enviarle a Siberia o al campo de reeducación (como hizo Mao en su proyecto de revolución cultural ), desgajarle de su familia. El sistema político nacido de la Revolución de Octubre eliminó a la persona en favor de la masa, produciendo una tristeza congénita que aún colea en los países del Este.

El Ché, icono pop

A la vista de estos datos y de los resultados de destrucción y muerte que ha dado el comunismo a lo largo de la Historia, es inexplicable el poder de atracción que ha seguido ejerciendo entre los jóvenes de todas las generaciones. Pío Moa, escritor que militó en su juventud en al lado más duro de la lucha marxista, analiza su experiencia personal y dice que, «del marxismo-leninismo me atrajo su capacidad explicativa, pues aparentemente daba razón de la Historia y de la sociedad humana. Una vez se aceptan algunas premisas de su sistema, resulta una teoría muy coherente, muy fuerte, y no es de extrañar que haya atraído a gente mucho más inteligente que yo. También me atraía la aventura y la lucha que representaba en aquellos momentos, aunque se transformase en una gris monotonía en los países donde triunfaban esas ideas». Su profundización en el marxismo le llevó a desencantarse, al cabo de los años; hoy explica que este proceso se debió, en parte, «por mi experiencia particular en grupos comunistas, pero sobre todo a partir del análisis de aquellas premisas de la ideología comunista que, a veces, se aceptan como evidencias, cuando en realidad son supuestos contradictorios en su raíz. Naturalmente, ese análisis me llevó mucho tiempo, porque, además, la ideología y la vida comunistas crean una emotividad de la que es difícil escapar. Pero está claro que de una falsedad radical sólo pueden salir errores y crímenes, que es lo que siempre ha ocurrido con el marxismo, y no por simples fallos en su aplicación. Hoy, aquellos ideales, tal como se expresaron entonces, han sido barridos, pero el sentimiento utópico, que en definitiva es un anhelo de escapar de la condición humana, de la condición moral, para volver a la inocencia animal y supuesta abundancia del paraíso, pervive con formas relativamente nuevas. Creo que es una tentación propia de la naturaleza humana. El utopismo es la cara complaciente de la tiranía. En el aspecto historiográfico, las concepciones marxistas siguen muy presentes en multitud de libros que se siguen escribiendo».

Y no sólo en los libros; por ejemplo, la cultura posmoderna ha hecho del Ché un icono pop, y es habitual ver camisetas con su imagen en ciudades de todo el mundo. Después de 1989, el fin de la utopía no ha traído consigo la autocrítica dentro de las filas de la izquierda, como si la zanahoria de la revolución todavía estuviese delante, pese a todo. El régimen que nació para liberar a los hombres de la opresión se convirtió en el sistema más opresor y totalitario de todos, el que más ha cercenado la libertad de las personas en todas sus variantes, y dentro de sus filas no ha habido un debate serio ni una condena en firme.

Y en España, ¿qué?

¿Tiene sentido ser comunista hoy en España? Los que hace años levantaban la bandera, y cantaban la Internacional el día del trabajador ahora se cogen el puente de mayo. El fin de la utopía ha sorprendido a muchos en la playa. La lucha de clases ya no tiene sentido cuando puedes calentar la comida en el microondas y tienes dos coches en el garaje. Y es que la izquierda tampoco se la juega ya en el terreno de la economía. La evolución natural de los militantes comunistas en los últimos años les ha hecho recalar en las filas de sus hermanos menores del socialismo. En España, a principios de los 80 del pasado siglo, no era raro verles cantando la Internacional, codo con codo, el 1 de mayo. Luego, los socialistas dejaron de levantar el puño, y después dejaron de acudir a los mítines, pero, a pesar de que no se les puede considerar como los herederos directos de los antiguos comunistas, persiste en ellos, cada vez más indisimuladamente, la pretensión totalitaria con la que el comunismo ha tratado siempre de imponer sus tesis. Ahora se hace «por medios democráticos», pero el objetivo es el mismo: la imposición de leyes nacidas de presupuestos ideológicos y que no cuentan con el aval de la sociedad -por ejemplo, la ley del mal llamado matrimonio homosexual-. Y es que los regímenes de acero que padeció la Europa del Este durante el siglo XX encuentran hoy su versión light en una España cuyo Gobierno disimula su tentación totalitaria con el disfraz de la tolerancia y con el abuso de palabras como consenso. Es lo que el ex-ministro José Manuel Otero Novas denomina totalitarismo democrático, que el rodillo socialista ha sabido utilizar bien en su favor.

Sin la utopía, la causa ya ha dejado de existir, pero se ha sustituido por banderas más o menos oportunistas, como la defensa de la República, la campaña del No a la guerra, las reclamaciones del lobby gay... Pero hay tics que persisten y que se notan, aunque uno no quiera: sin presupuestos ideológicos, la izquierda sigue necesitando un antagonista al que oponerse, incluso hasta llegar al insulto (los últimos vídeos de las Juventudes Socialistas son prueba de ello). Para poder seguir existiendo, la izquierda precisa de un enemigo; hoy, en nuestro país, ese papel ha recaído en la Iglesia y en la derecha. La consigna es: O conmigo, o contra el pueblo.

Y, siempre, la obsesión por la Historia, por pasar a la Historia, por manipularla en beneficio propio. Trotsky mandó «al vertedero de la Historia» a todos los que se opusieron a la Revolución de Octubre. Años después, Stalin mandó borrar su imagen de las fotos de aquellos años y su nombre de las crónicas que se hicieron de entonces. ¿No sucede hoy algo parecido en España? La Ley de Memoria histórica no parece sino un intento de contar la guerra civil cambiando el resultado de la contienda, y de volver a crear una España de dos bandos para volver otra vez a jugar el partido y tomarse la revancha.

Una cosa es cierta, la izquierda sabe bien que la batalla por el poder se libra en el campo de la cultura y en el de la educación. Del primero ya sabían mucho los primeros comunistas, desde que, para conmemorar el décimo aniversario de la Revolución, Stalin mandara a Sergei Eisenstein, el mejor director de cine de su tiempo, la realización de la película Octubre. En España, sin llegar a los niveles de propaganda de entonces, el sistema de las subvenciones, lejos de ser una promoción desinteresada de la cultura como enriquecimiento de la sociedad, ha sido utilizado para asegurarse el apoyo incondicional de actores y directores. En cuanto a la educación, la asignatura Educación para ciudadanía parece haber nacido para asegurar un pesebre de votos cada vez mayor. Todo ello conforma lo que Glucksmann ha denominado marxismo-nihilismo-new age, la versión XP de la izquierda de siempre.

Juan Luis Vázquez Díaz-Mayordomo
Alfa & Omega Nº 564 / 25-X-2007

sábado, 27 de outubro de 2007

Vaticano lança obra inédita sobre processo contra Templários

Pergaminho do ato de Chinon, de 1308. (Arquivo secreto Vaticano)

Composta por 799 exemplares numerados, a obra Processo Contra Templários foi lançada oficialmente na manhã da última quinta-feira, dia 25 de outubro, no Vaticano.

Os documentos, até agora considerados secretos de um dos grandes julgamentos da História, que condenou ao fim os Cavaleiros dos Templários, serão vendidos em edição bilíngüe - italiano e inglês.

O preço equivalente a mais de R$ 15 mil, no entanto, não é nada acessível para a maioria dos interessados no assunto e até mesmo para as bibliotecas especializadas.

O livro integra a série Exemplaria Praetios, a publicação mais valiosa do Arquivo Secreto do Vaticano, e conta com todo o luxo de detalhes nas reproduções: uso de pergaminho, selos dourados e documentos de grande importância histórica.

Um dos destaques é a reprodução dos originais em pergaminho do ato de Chinon, de 1308, do antigo processo de condenação dos Cavaleiros dos Templários. Ele mostra que o papa Clemente V reabilitou inicialmente os Templários acusados de heresia e blasfêmia. No entanto, considerou que eles praticavam imoralidades.

Segundo o historiador medievalista Franco Cardini, o papa planejava reformar o grupo religioso e militar medieval, mas nunca o condenou. De acordo com o estudioso, o pergaminho "testemunha que o pontífice não considerava a ordem herege".

Cardini, que também está lançando um livro sobre o assunto, La Tradizione Templare ("A Tradição Templária", em tradução livre), diz que as condenações por heresia na época se fundamentavam nas confissões de alguns templários, que depois acabaram se retratando.

"Por esse motivo, eles foram considerados reincidentes no erro pelo qual tinham sido processados e condenados", assinalou o historiador, que também participou do lançamento oficial da edição do Vaticano.

A Ordem dos Cavaleiros Templários foi fundada em Jerusalém, em 1118, por nove cavaleiros franceses, para defender os peregrinos cristãos na Terra Santa durante as Cruzadas.

Posteriormente, eles receberam várias doações de terras na Europa, ganharam enorme poder politico, militar e econômico, o que acabou permitindo estabelecer uma rede de grande influência no continente.

Depois do processo condenatório, muitos cavaleiros foram perseguidos, presos, torturados e queimados.

A ordem foi extinta em 1312 devido a pressões do rei da França Filipe IV "o Belo", que impôs a eliminação dos Templários.

Chantageado pela monarquia francesa, o papa Clemente V acabou com a ordem sem condenação, nem absolvição, mas isolando-a em uma espécie de hibernação graças a um artifício do direito canônico.

Ao declarar que o processo não tinha comprovado a acusação de heresia, Clemente V suspendeu a Ordem dos Templários mediante uma sentença não definitiva, ditada pela necessidade de evitar um grande perigo para a Igreja.

Os Cavaleiros foram proibidos, sob pena de serem excomungados, de continuar usando o nome e os signos distintivos.

Segundo o Monsenhor Sergio Pagano, prefeito do Arquivo Secreto Vaticano, todos os mistérios que cercam a Ordem dos Templários e sua dissolução após o julgamento da inquisição estão no livro.

Ele diz que a obra conta com rigorosos conteúdos históricos e científicos sobre o processo, que, em outubro, completou 700 anos.

BBC Brasil

Pink Floyd lança caixa comemorativa de seus 40 anos


A banda Pink Floyd divulgou detalhes da caixa "Oh by the way", que lançará em comemoração ao seu aniversário de 40 anos. A caixa terá todos os discos de estúdio do grupo, em CDs com formato de minivinis. Os extras originais também serão incluídos em miniaturas. O álbum "The dark side of the moon", por exemplo, virá com dois pôsteres e dois adesivos, enquanto "Wish you were here" terá um cartão - postal exclusivo.

Os álbuns da antologia:


"The piper at the gates of dawn" (1967)

"A saucerful of secrets" (1968)

"Music from the film more" (1969)

"Ummagumma" (1969)

"Atom heart mother" (1970)

"Meddle" (1971)

"Obscured by clouds" (1972)

"The dark side of the moon" (1973)

"Wish you were here" (1975)

"Animals" (1977)

"The wall" (1979)

"The final cut" (1983)

"A momentary lapse of reason" (1987)

"The division bell" (1994)

A Última Ceia, de Leonardo da Vinci, ganha uma versão digital em altíssima definição.


A partir deste sábado, um dos murais mais famosos do mundo poderá ser visto nos seus mínimos detalhes através de um computador, em qualquer parte do planeta. A obra-prima virtual foi realizada recompondo 1.677 imagens registradas com tecnologia de ponta.

O trabalho foi feito com a ajuda de uma técnica especial de iluminação criada para não danificar a pintura original.

O material pictórico é muito sensível à emissão de raios ultravioleta, assim como ao impacto térmico do flash.

A Última Ceia sobreviveu, sem nenhum arranhão, às nove horas de sessões fotográficas. Muito pouco perto dos quatro ou cinco anos gastos por Leonardo da Vinci para criar o original. O resultado é um quebra-cabeças de 16.945.790.099 pixels que, juntos, formam o mural falso mais verdadeiro da história.

Ela pode ser vista no site http://www.haltadefinizione.com/

Ao contrário do que muitos pensam, o artista desenhou o mural com uma técnica de pintura a seco e a óleo, e não a usada tradicionalmente em afrescos. Por isso ele tem a delicadeza e a fragilidade de uma aquarela.

Normalmente, A Última Ceia é exposta sob um tênue véu de luz indireta, apenas o suficiente para dar uma boa impressão a olho nu. E os visitantes estão proibidos de tirar fotografias, com ou sem flash. Eles devem guardar na memória as impressões e as emoções daquele momento único.

Todos os dias, quase mil admiradores desfilam diante do mural. Ele ocupa uma das paredes do refeitório do antigo convento Santa Maria delle Grazie, no centro de Milão.
Os visitantes formam grupos de 25 pessoas e somente podem ficar 15 minutos diante da parede pintada pelo gênio italiano.

A cena, descrita na Bíblia, mostra o último encontro de Jesus Cristo com os apóstolos e o anúncio da traição de Judas.

Esta não é a primeira vez que a obra é fotografada. No começo do século passado, A Última Ceia foi retratada em preto e branco através da proteção de grandes vidros. E durante os anos 80, sempre de acordo com as tecnologias mais avançadas da época, o mural também foi retratado em cores.

Desta vez a profundidade e nitidez cromáticas reveladas pela mega-fotografia supera em duas vezes a qualidade das imagens digitais convencionais.

Sofisticados programas de computador e processadores de última geração garantiram o sucesso da operação, impensável pouco tempo atrás por causa das dimensões do mural.

O mural mede 4,6 por 8,8 metros.

A obra-prima de Leonardo da Vinci foi feita entre os anos de 1494 e 1498. O mestre alternava momentos de intensa atividade com longas pausas.

Ao longo dos séculos as expressões e os gestos das figuras continuam a encantar gerações. A herança artística em versão digital irá proporcionar a cada curioso ou turista virtual uma visão tão próxima da realidade como se fosse um restaurador trabalhando no mural, a poucos centímetros da parede.

A última restauração foi feita entre 1977 e 1999, pela italiana Pinin Brambilla.

Ela foi passada a limpo e muitas partes originais foram reveladas depois de descobertas sob estratos de trabalhos anteriores. Outras foram irremediavelmente perdidas.

A Última Ceia, versão digital, é capaz de proporcionar ao pesquisador mais acurado a identificação dos traços intocáveis do mestre e aqueles retoques mais recentes, realizados para recuperar o conjunto. Somente não será possível respirar o cheiro da tinta e nem sentir mistério na pele.

A obra representa um dos patrimônios artísticos mais estudados em todo o mundo. O mural continua sendo uma fonte inesgotável de interpretações, leituras místicas ou não. Pesquisadores de fim de semana, diletantes, chegam até mesmo a encontrar partitura de música e diálogos “lendo” o posicionamento das figuras.

A Última Ceia digital chega em boa hora. O original está sendo ameaçado pela poluição ambiental.

As partículas em suspensão são trazidas pelos próprios turistas, cerca de 350 mil ao ano.

E já se fala em fechamento por temporadas para a proteção da obra. Vê-la na tela do computador pode servir de consolo e cada um vai poder dar asas à imaginação diante de um dos murais mais enigmáticos já feitos.

O projeto foi financiado, em parte, pelo Ministério para os Bens e as Atividades Culturais da Itália.

Guilherme Aquino

BBC Brasil

Astrônomos acham centenas de buracos negros "sumidos"

Imagem feita em infravermelho pelo Spitzer mostra alguns dos buracos negros descobertos (Foto: Nasa)

Astrônomos passaram décadas procurando uma população de buracos negros considerados 'desaparecidos'. A busca por esses objetos, até agora, havia revelado apenas o topo do iceberg. Nesta sexta-feira (26), os cientistas da Nasa revelam o iceberg inteiro: centenas deles, se escondendo nas profundezas das galáxias a bilhões de anos-luz de distância.

A descoberta, que será publicada na edição de 10 de novembro da revista científica especializada "Astrophysical Journal", foi possível com o trabalho conjunto dos telescópios espaciais Spitzer e Chandra e, na verdade, é apenas uma fração do que se espera que exista no Universo. Os astrônomos acreditam que há milhões de buracos negros crescendo no Cosmos -- e nós não conhecemos nem a metade deles.

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Les Demoiselles d'Avignon

Les Demoiselles d'Avignon (1907) - Pablo Picasso. MOMA, New York.

Pablo Picasso (1881 - 1973)

(Photo de Arnold Newman. Vallauris, France - 1954)

Pablo Picasso (1881-1973) foi um dos mais influentes artistas do século XX. Criador de mais de 22.000 obras de arte em diversos meios, incluindo cerâmicas, esculturas, litografias, mosaicos e outras formas de arte, ele trabalhou com temas e estilos diferentes.

A vida e arte de Picasso estão completamente interligadas, já que sua vida pessoal esteve sempre presente em seu trabalho. Quanto tinha um novo amor, este constantemente era retratado em suas telas, e quando este amor acabava, a figura de uma adoração do passado era distorcida e algumas vezes aparecia em suas pinturas como um monstro. As mulheres na vida de Picasso sabiam quando estavam sendo trocadas, simplesmente através da observação de seu trabalho.

Picasso nasceu em Málaga, no Sul da Espanha, em 25 de outubro de 1881, e posteriormente adotou o sobrenome de solteira de sua mãe, Maria Picasso Lopez; seu pai, José Ruiz Blasco também era um artista. Picasso estudou em escolas de arte de Barcelona e Madri, e após visitar Paris em outubro de 1900, ele passou a viajar entre a Espanha e a França, até 1904, quando se estabeleceu na capital francesa.

Os trabalhos de Pablo Picasso são freqüentemente descritos através de uma série de períodos de transição.

O Período Azul de Picasso ocorreu entre 1901 e 1904. Nesta fase o artista retratou pessoas infelizes pintadas em tons de azul, evocando sentimentos de tristeza e alienação. Acredita-se que este momento tenha sido influenciado pelo suicídio de seu amigo Casagemas, ocorrido em 1901.

Em 1904, Picasso iniciou seu Período Rosa. Em abril do mesmo ano ele conheceu Fernande Olivier, e este novo romance refletiu-se em seu trabalho. Logo após se conhecerem, Picasso deu início à sua nova fase. Fernande Olivier foi o primeiro de muitos amores de Picasso, que serviram de inspiração para a sua arte. De fato, os traços de Olivier aparecem em muitas das figuras femininas de seus quadros durante vários anos. Picasso havia se estabelecido em Paris e seu Período Rosa transmitia mais otimismo.

Em 1906, Picasso conheceu Henri Matisse, um artista renomado que se tornou seu melhor amigo. Durante as décadas seguintes Picasso competia com Matisse e tentava impressioná-lo.

O ano de 1907 foi muito importante na carreira de Picasso: ele pintou Les Demoiselles d’Avignon (MOMA, em Nova Iorque) considerado o trabalho mais importante em direção ao desenvolvimento do cubismo e da abstração moderna. Esta tela revolucionou a arte e é uma de suas obras mais admiradas.

Pouco após o término de Les Demoiselles d’Avignon, Picasso e Georges Braque co-inventaram o cubismo, a arte de fazer figuras a partir de formas como triângulos e cubos. Na primeira fase deste movimento, conhecida como cubismo analítico, os artistas fragmentaram o objeto/pessoa em múltiplas formas geométricas. Na segunda fase, conhecida como cubismo sintético, os artistas uniram diversas formas geométricas para representar uma pessoa, objeto ou outra forma, invertendo o processo da primeira fase.

Em 1911 Picasso conheceu outra das importantes mulheres de sua vida, Marcelle Humbert, vindo a se separar de Olivier, com quem estava na época. Picasso passou a chamar Marcelle de Eva, para mostrar que ela era seu primeiro amor. Marcelle também apareceu em suas pinturas, mas morreu repentinamente em 1915.

Em 1918, Picasso casou-se com Olga Koklova, uma dançarina russa com quem teve um filho chamado Paulo. O artista criou diversos quadros de Olga com seu filho, porém, em 1935, o casal se divorciou. Com o passar dos anos, ele começou a retratar Olga como uma terrível fera.
No início da década de 1930, Picasso conheceu Marie Thérèse Walter, a nova musa para suas obras e com quem ele teve uma filha, Maia (1935). Apesar de estar envolvido com Marie, Picasso conheceu Dora Maar em 1936, outro de seus amores que ele retratou em suas pinturas.

Em 1936, a Guerra Civil Espanhola começou e o artista apoiou o Governo Republicano contra o militarismo de Franco. Foi nomeado diretor do Museu do Prado e o Governo encomendou um mural para o Pavilhão Espanhol da Exposição Internacional de Paris.

Em 26 de Abril de 1937, os bombardeios nazistas arrasaram a pequena cidade de Guernica, como sinal de apoio ao general espanhol Francisco Franco, que lutava contra a República Espanhola. O bombardeio causou mais de 2.000 mortos e milhares de feridos.

No mesmo ano nasceu "Guernica", sua obra prima. Uma grande obra mural, contra a opressão e a violência desencadeadas pela guerra.

Apesar de representar os males do conflito armado em Guernica, e de ser um opositor declarado do General Franco, Picasso permaneceu em Paris durante a Segunda Guerra Mundial, apesar da ocupação alemã. Durante a guerra, Picasso uniu-se ao partido comunista e quando o conflito chegou ao fim, ele foi a Moscou para demonstrar seu apoio a Stalin.

A vida pessoal de Picasso passou por tumultos na década de 1940, quando conheceu a artista Françoise Gilot. Gilot foi uma artista com quem Picasso teve dois filhos – Claude e Paloma. Ela foi a única mulher a deixá-lo (1953) e a única que ele não distorceu em suas pinturas. Ao contrário, com o fim do romance, o artista desfigurou sua própria imagem.

Em 1961, Picasso casou-se com Jacqueline Roque.

Ao longo dos anos, Pablo Picasso aventurou-se por estilos diversos. Ele revolucionou a escultura, utilizando objetos do dia-a-dia como matéria-prima, ampliando a definição entre o artístico e o não-artístico. Em suas pinturas, Picasso experimentou diferentes formas e cores, e também diferentes movimentos artísticos, como o surrealismo.

Picasso foi um artista ativo até o fim de sua vida. Trabalhando sistematicamente na escultura, cerâmica, pintura e nas artes gráficas, ele continuou explorando seu talento até a sua morte, ocorrida em 1973.

Deixou uma fortuna calculada em 300 milhões de dólares, dos quais 250 milhões em obras de arte. A lista do seu inventário acusa 1885 pinturas, 7089 desenhos, 3222 peças de cerâmica, 7411 gravuras, 1723 pedras, 1228 esculturas, 11 tapeçarias e 8 tapetes.

Sua herança foi partilhada entre sua última esposa, Jacqueline Roque, seus filhos Maya, Claude e Paloma e seus netos Marina e Bernard ( filhos de Paul Picasso, o primeiro filho do pintor e já falecido ).

Picasso faleceu em casa, em Notre-Dame-de-Vie, na França no dia 8 de abril, aos 91 anos.

http://www.museupicasso.bcn.es/cast/index_cast.htm
http://www.picassotradicionyvanguardia.com/intro.php
http://www.madrid.org/museo_picasso/

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Restos de uma supernova


Explicar e entender os mecanismos que determinam o fim da vida de uma estrela de grande massa é muito difícil. Como se não bastasse isso, explicar e entender o que sobra depois da morte de uma estrela de grande massa, também não é nada fácil. Os remanescentes de supernova guardam mais perguntas do que respostas.

A fotografia acima, composta por imagens em raios-X e no visível, mostra bem a complexidade da fase final de estrelas com 10 ou mais massas solares. Este remanescente de supernova é conhecido como G292.0+1.8 e está a uma distância de 20.000 anos luz de nós na constelação do Centauro. Ele é conhecido como um dos três remanescentes de nossa galáxia a conter oxigênio. Por isso, o G292 é alvo de constantes estudos.

Esta última imagem do Chandra mostra estruturas complicadas em rápida expansão. Além de oxigênio, outros elementos pesados como neônio e silício foram produzidos durante a explosão. Estes (e mais outros) elementos químicos contaminam as nuvens de gás e poeira próximos e vão ajudar a formar outras estrelas e, quem sabe, novos sistemas planetários.

Para chegar a este grau de detalhes, o telescópio espacial Chandra ficou observando G292 durante seis dias seguidos. Mapeando a distribuição dos raios-X emitidos em diferentes bandas, podemos saber agora como os elementos químicos produzidos na explosão foram ejetados. Os resultados surpreenderam a todos, pois mostram que a explosão não foi perfeitamente simétrica. Por exemplo, o azul (que representa silício e enxofre) e o verde (magnésio) estão concentrados no canto superior direito, enquanto o amarelo e o alaranjado (oxigênio) estão concentrados no canto inferior esquerdo. Esse padrão de cores também indica que a temperatura é maior na parte superior direita. É possível notar uma envoltória avermelhada que parece embrulhar toda a bolha. Esta é a frente de choque do gás expandindo e comprimindo o gás interestelar.

A explosão da supernova deixou uma estrela de nêutrons em rápida rotação, ou um pulsar. Ele está localizado um pouco abaixo à esquerda do centro da imagem. Uma outra característica intrigante é a faixa de material claro correndo quase ao centro da bolha. Essa faixa é conhecida como "cinturão equatorial" e foi formada antes da explosão, provavelmente através de ventos equatoriais. Outro mistério ainda não explicado é a localização do pulsar. Em princípio ele deveria estar mais ou menos no centro da bolha, mas ele está muito afastado. Isso indica que a estrela sofreu algum recuo durante a explosão, mas ninguém sabe como.

Apesar de não ser um caso 100% explicado, o G292 é considerado um importante laboratório dos remanescentes de supernova. Tantos processos físicos em um só ambiente permitem fazer dele um livro texto para explicar outros remanescentes estudados.

Cássio Leandro Dal Ri Barbosa

Pós-doutorado pelo Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo e professor da Universidade do Vale do Paraíba, em São José dos Campos (SP).

A felicidade hoje é fechar os olhos

Antigamente, a felicidade era uma espécie de "missão" a ser cumprida, a conquista de "algo maior" que nos coroasse de louros; a felicidade demandava o "sacrifício", a renúncia, a luta contra obstáculos. A idéia de que a felicidade se "constrói" já ficou para trás. Hoje, felicidade é ser desejado.

A idéia de felicidade não é mais interna, como a dos monges, ou a calma vivência do instante, ou a visão da beleza. Felicidade é entrar num circuito comercial de sorrisos e festas e virar alguém a ser consumido. Felicidade é ter um bom funcionamento. McLuhan escreveu que os meios de comunicação são extensões de nossos braços, olhos e ouvidos. Hoje, nós somos extensões das coisas. Fulano é a extensão de um banco, sicrano comporta-se como um celular, beltrana rebola feito um liquidificador. Assim como a mulher deseja ser um eletrodoméstico, um "avião", peituda, bunduda, o homem quer ser uma metralhadora, uma Ferrari, um torpedo inteligente, e mais que tudo, um grande pênis voador sem flacidez e angústias. Confundimos nosso destino com o destino das coisas... Felicidade não é mais lenta ou contemplativa - é velocidade. O mundo veloz da Internet, do celular, do mercado financeiro nos imprimiu um ritmo incessante, uma gincana contra a idéia de morte ou velhice, melhor dizendo, contra a obsolescência do produto ou a corrosão dos materiais.

Somos "felizes" dentro de um chiqueirinho de irrelevâncias, bagatelas, micharias. Uma alegria para nada, para rebolar o rabo nas revistas, substituindo o mérito pela fama. Essa infantilização da felicidade pela mídia se dá num mundo em parafuso de tragédias sem solução, como uma disneylândia cercada de homensbomba. Não precisamos fazer ou saber nada; o sujeito só existe se aparecer.

Há alguns anos, a infelicidade, a tragédia ainda provocavam escândalo. O Holocausto, Hiroshima - jogaram o mundo em cava depressão, mudou a visão da vida. E hoje? O crime hediondo está mais aceito, o Iraque é apenas um assalto corriqueiro à razão, estamos acostumados ao horror como um cotidiano inevitável. O horror deixou de ser um susto - faz parte da vida. A incessante pantomima da alegria movida pelas novidades eletrônicas, pelo marketing inovador da tecnociência serve para camuflar a melancolia que nos atinge e que temos de "forcluir", tirar de cena, como dizem os analistas, essa pobre minoria de defensores da razão.

O pensamento humanista está lamentoso de tanto absurdo. De que adianta falar em compaixão ou afeto a propósito de um menino de 13 anos que decepa a cabeça de um colega com um machado, com as mães atirando filhos nas lixeiras e brejos? Como falar em democracia com muçulmanos analfabetos, que desde o século VII se massacram por um ser inexistente, educando criançasbomba nas "madrassas", para extirpar qualquer resquício de razão no Ocidente, enquanto, do outro lado, os monstros caretas do Bush repetem mantras da Bíblia fundamentalista?

Para a felicidade, só nos resta "não ver". Fechar os olhos. É uma lista de negativas: não ter câncer, não ler jornal, não ligar para as tragédias, não olhar os meninos malabaristas no sinal, não ver os cadáveres explodidos na TV, não ter coração, se transformar num clone de si mesmo, num andróide programado para ter esperança, vivendo um presente infinito e longo, incessante e delirante como um "rave" sem fim.

Há um grande livro de science-fiction (talvez o maior) "Tiger Tiger" (antigo "The Stars my Destination"), de Alfred Bester, no qual há um grande SPA em Marte para supermilionários onde eles teriam a suprema felicidade de viver extirpados de todos os sentidos, apenas os cérebros funcionando em "alfa", livres de qualquer angústia. Um dia, chegaremos lá.

Oscilamos entre o desejo de ser "especiais", únicos, brilhantes indivíduos, celebridades que fujam do escuro anonimato e o desejo de virar pó, de ser uma formiga obediente, conduzida por um comandante qualquer.

E tudo sempre em nome da palavra-chave da época: a liberdade, que todos fingem querer, a liberdade respirando como um bicho sem dono entre o individuo e a massa, a liberdade - esta coisa que provoca tanta angústia. O Big Brother do capitalismo de mil olhos se apossou de uma nova mercadoria: a liberdade. A América corporativa se apossou até da consciência crítica e fetichizou- a. Num filme como "O Clube da Luta" ou "Matrix", vemos a chamada crítica ou autocrítica "de mercado", um estratagema para incorporar a idéia de transgressão e ódio ao sistema e, assim, paralisá-la. Vejam a passividade da juventude norte-americana, que só agora começa a acordar para o monstro Bush; comparem- na com os milhões contra a guerra do Vietnã. A liberdade/felicidade virou mais uma camuflagem do capitalismo.

No fundo, temos uma secreta nostalgia da submissão. A liberdade dá angústia. Dostoievski acerta na mosca, prevendo o tempo de hoje, quando no espantoso e profético capítulo de "Os Irmãos Karamazov", intitulado "O Grande Inquisidor", nos escreve do passado, na grande diatribe do inquisidor a Cristo:
"Você esqueceu que o homem prefere a paz e mesmo a morte ao invés da liberdade de ter de escolher entre o bem e o mal? Pode ser muito sedutora a idéia para os homens de ’livre arbítrio’, mas nada lhes é mais doloroso. Em vez de princípios sólidos que pudessem tranqüilizar a consciência humana para sempre, você escolheu noções vagas, enigmáticas, tudo que vai além da possibilidade humana, e assim você agiu sem amor por eles, você, que diz ter vindo salvá-los! Você aumentou a liberdade humana, em vez de confiscá- la! (...) depois de 15 séculos, que restou? Você não conseguiu elevar ninguém até a sua altura divina! O homem é muito mais fraco e vil do que você imaginou".

É isso aí... O chamado "indivíduo" livre está cada vez mais ridículo. O "eu" virou um privilégio para meia dúzia de loucos e, claro, para as grandes corporações donas do mercado do desejo. Entramos no século XXI regidos por deuses malucos, do Oriente ao Ocidente. Na realidade, chegamos ao século VII, apenas com tecnologia avançada...

Arnaldo Jabor

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Projeto Biblioteca Digital Mundial


Na Antiguidade, a Biblioteca de Alexandria, no Egito, com suas centenas de milhares de papiros, era a guardiã do maior acervo cultural e científico do mundo. Inaugurada em 295 a.C., foi destruída pelo fogo em 272 d.C. por ordem do imperador romano Aureliano. Na era digital, um projeto da Unesco, a World Digital Library (Biblioteca Digital Mundial), cujo protótipo entrou no ar neste mês, tornará tesouros de vários países disponíveis gratuitamente na internet. O portal da WDL terá, na primeira fase, mapas, fotografias e manuscritos digitalizados, tudo com textos explicativos em árabe, chinês, espanhol, inglês, francês, português e russo. Numa segunda fase, será possível consultar livros. Os usuários poderão pesquisar temas como filosofia, história, religião e ciência.

Grandes bibliotecas estão sendo convocadas a colaborar - e a Biblioteca Nacional foi uma das primeiras a aceitar. Já enviou reproduções de mapas e registros fotográficos raros do país no século 19. Oitava maior do planeta e a número um da América Latina, a instituição é parceira-fundadora ao lado das Bibliotecas do Congresso dos EUA, da Rússia, da Coréia do Sul e da Bibliotheca Alexandrina, inaugurada em 2002.

Um protótipo da WDL começou funcionar desde o dia 17, na 37ª Conferência-Geral da Unesco, em Paris. É uma oportunidade para mais países aderirem - e para o Brasil fazer sua campanha com os vizinhos latinos e com as nações de língua portuguesa. “A Biblioteca Nacional é a única da América Latina que está participando. Vamos entrar em contato com os países da região, começando por Argentina, Venezuela e Colômbia”, afirma o presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Muniz Sodré. “

A idéia é fazer um grande portal da cultura no mundo. Cada país está mandando o que tem de mais precioso”, explica Liana Gomes Amadeo, diretora do Centro de Processos Técnicos da Biblioteca Nacional. Mais detalhes sobre o projeto, cujo investimento não foi divulgado, estão no site http://www.worlddigitallibrary.org/. O maior acervo digital do mundo, hoje, é o da Biblioteca do Congresso Americano (http://www.loc.gov/), iniciado em 1995, com mais de 7,5 milhões de documentos.

Parceria da UNESCO e dos EUA possibilitou a criação da Biblioteca Digital Internacional

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, apoiadas pelo Google, se uniram para desenvolver a biblioteca digital com trabalhos de todas as partes do mundo.

"A iniciativa da Biblioteca Digital Internacional é digitalizar materiais raros e únicos de bibliotecas e outras instituições ao redor do mundo e torná-los disponíveis de forma gratuita na internet", informou a Unesco em um comunicado.

Manuscritos, mapas, livros, partituras e gravações musicais, filmes, gravuras e fotografias serão incluídos no projeto.

A iniciativa foi lançada pela Biblioteca do Congresso dos EUA em 2005, com o objetivo de digitalizar registros das maiores culturas do mundo. O projeto vai permitir aos usuários procurar por lugares, épocas, temas e instituições participantes.

O projeto soma-se aos esforços de empresas como o Google, que está digitalizando acervos de diversas bibliotecas do mundo para acesso on-line. Junto com o Google, primeiro patrocinador do setor privado, há também outros parceiros, incluindo bibliotecas nacionais no Egito, Rússia e Brasil.

Agência Reuters

Fenômeno milenar ilumina a estátua de Ramsés II


Egípcios e turistas puderam ver, nesta segunda (22), o sol iluminar o rosto da estátua do faraó Ramsés II no templo na cidade de Abu Simbel, no sul do Egito, em um raro fenômeno que ocorre apenas duas vezes ao ano.

Às 5h55 (1h55 de Brasília), os raios solares começaram a entrar no templo e iluminaram o rosto da estátua durante 24 minutos, para anunciar o início do mês do "Bert", que marcava o começo da temporada agrícola para os antigos egípcios.

Segundo o diretor de antiguidades de Abu Simbel, Mohammed Hamed, citado pela agência oficial "Mena", cerca de 2.500 turistas estiveram presentes para observar o fenômeno, que se repetirá em 22 de fevereiro.

Esta noite será realizado um espetáculo para contar a história do faraó e explicar o projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) que salvou o templo de ficar submerso no lago Nasser quando a represa de Assuã foi construída, em 1964.

O Templo do Sol foi construído de modo que os raios solares iluminassem o rosto da estátua de Ramsés II apenas duas vezes ao ano: em 22 de outubro, para comemorar sua ascensão ao trono, e em 22 de fevereiro, por ocasião do seu aniversário. Os engenheiros da Unesco que participaram do salvamento do templo levaram em conta este fenômeno e conseguiram que ele se repetisse em sua nova localização, vários metros acima do local original.

Agência EFE

Liszt - Estudo Transcendental no.10

Boris Berezovsky plays Transcendental Etude no. 10 in F- Allegro Agitato Molto "appassionata"

Franz Liszt (1811 - 1886)

Retrato de Franz Liszt fotografado por Felix Nadar. Considerada a última fotografia de Liszt.

Ferenc (ou Franz) Liszt nasceu em Raiding, Hungria, na noite de 21 para 22 de outubro de 1811, ano marcado pela passagem de um cometa...Seu pai, Adam Liszt, era descendente de antiga e nobre família húngara, embora sem fortuna. Apesar de saber tocar piano, violino e flauta, sobrevivia como administrador da propriedade rural do Príncipe Miklós Esterházy, na qual, durante o século XVIII trabalhara Joseph Haydn.

Sua mãe era uma austríaca, Anna Lager, cantora pôr profissão. Um ano após o casamento, nascia Franz, primeiro e único filho do casal; louro e de grandes olhos azuis, uma bela criança.

Muito sensível, já aos seis anos era capaz de reproduzir com perfeição os temas que ouvia seu pai tocar ao piano. Tal proeza levou Adam Liszt a fazer do filho um pianista, encarregando-se, ele próprio de dar-lhe aulas. O aprendizado do pequeno Franz foi supreendente: aos oito anos começou a compor e aos nove se apresentou pela primeira vez, em uma cidade vizinha, executando um concerto de Ries. Após este sucesso, surgiram novas oportunidades em outras cidades. Franz Liszt iniciara sua carreira de pianista.

Encantados com a criança prodígio, nobres húngaros lhe ofereceram uma bolsa de estudos, que permitiu a Liszt fazer estudos sérios e completos. A família mudou-se para Viena, onde o menino pôde se aperfeiçoar em piano com Czerny, e em composição com Salieri.

Em 1822 apresentou-se pela primeira vez para o público vienense e levou a platéia ao delírio com seu virtuosismo. Sucesso absoluto de público e de crítica: Liszt, aos doze anos, já era um ídolo.

Em 1823 partiu para uma longa série de concertos pela Alemanha e França. Em 1824 estreou em Paris, obtendo, como sempre, sucesso estrondoso. Recusada a sua entrada no Conservatório de Paris, pôr ser estrangeiro, recebeu aulas particulares de composição dos mestres Anton Reicha e Ferdinando Paer. O famoso construtor de pianos Sebastien Érard contratou-o para divulgar seus novos modelos.

As viagens prosseguiam quase sempre sem interrupção, sendo sempre aclamado pelo público. Exausto, sofreu em 1827 uma depressão nervosa e passou pôr uma crise de misticismo, que o levaria, anos mais tarde, a entrar para a Ordem dos Franciscanos, como abade. Com a morte de seu pai, neste mesmo ano, e a necessidade de assumir os encargos de chefe de família, trouxeram-no de volta à realidade, passando então a lecionar música para as damas da alta aristocracia parisiense. Apaixona-se, aos dezessete anos, pôr uma de suas alunas,Caroline de Saint-Cricq, jovem como ele. Foi seu único insucesso amoroso. Apesar de se amarem, o pai da garota, ministro do Rei Carlos X, tinha projetos de casamento muito mas ambiciosos para a filha.

Melancólico e deprimido, o compositor adoeceu e entrou em nova crise de misticismo, ao mesmo tempo que se voltou freneticamente para a leitura de Dante, Voltaire, Vitor Hugo e outros clássicos.

Afastando-se do misticismo, o músico passou a se envolver na agitação política que ocorre na França, participando de reuniões intelectuais, interessando-se pôr uma sociedade igualitária, na qual o músico e o artista em geral teriam posição de destaque. Impelido pôr seus ideais, Liszt fundou, em 1834, juntamente com Chopin e Berlioz, a Gazeta Musical de Paris, órgão de imprensa destinado a defender os direitos do artista e a esclarecer a opinião pública sobre a função da arte na sociedade.

Em 1833 conheceu a condessa Marie d’Agould, que exerceria papel importante em sua vida. Ela, já casada e com três filhos, fizera um casamento de conveniência. Vinte e oito anos - seis anos mais velha que ele - culta, bela, independente e rica, tal era Marie quando Liszt a conheceu. Ele, virtuose consagrado, também culto, uma personalidade atraente. Em 1835, Marie abandonou o marido e os dois amantes foram viver na Suíça.

Afastado temporariamente da carreira de concertista, vivendo tranqüilamente na Suíça ao lado de Marie, Liszt dedicou-se inteiramente à composição. Neste período dedicou-se também à divulgação de obras de outros compositores. Aqui reside um dos grandes méritos de Liszt :admirar o gênio no outro e trabalhar pelo seu reconhecimento pôr parte do público. Trabalhou no Conservatório de Genebra. Seus alunos compunham-se de 28 mulheres e 5 homens.

De sua união com Marie nasceram os três filhos de Liszt: Blandine, Cosima - que se casaria com o regente Von Bülow, abandonando-o, depois, para viver com Wagner - e Daniel. Logo após o nascimento do último filho, as relações entre o casal começaram a se deteriorar e o rompimento tornou-se inevitável, efetivando-se no final de 1839. Marie regressou com os filhos para Paris e Liszt voltou a vida errante de concertista. Nos oito anos seguintes, deu recitais e concertos pôr toda a Europa. Estava no auge da fama, sendo considerado o mais brilhante virtuose do momento. Entrava triunfalmente em cada cidade pôr onde passou, sentado em sua carruagem atrelada a seis cavalos brancos. Era o convidado de honra da alta aristocracia parisiense, que o solicitava como recitalista e professor de piano. Desta forma colocou o músico numa posição de destaque dentro da hierarquia social - uma de suas metas como homem e artista.

Célebre, festejado, admirado, ganhava fortunas. Cortejado pelas mais belas mulheres da Europa, teve inúmeros casos amorosos. A presença feminina, aliás, foi uma constância na vida do compositor. E o "Don Juan da Música", tendo reconquistado a liberdade, entregou-se a ardentes aventuras amorosas. Mas não era feliz. A glória não o satisfazia e, desorientado e solitário, sentia a necessidade de uma relação amorosa sólida e estável. O equilíbrio só foi encontrado em 1847, aos 36 anos, quando conheceu a princesa polonesa Carolyne Sayn-Wittgenstein, seu último grande amor.

Casada, mas vivendo separada do marido, Carolyne, aos 28 anos, era culta e tinha a personalidade forte e independente. Embora não fosse bela, Liszt sentiu-se totalmente seduzido pôr esta figura de mulher aristocrática, inteligente e de grande vitalidade e que partilhava de suas idéias, tanto no plano religioso como no intelectual e artístico. Ao seu lado,Liszt viveu o período mais fértil como compositor.

Em 1848, Liszt transferiu-se para Weimar, onde exerceria as funções de mestre-de-capela e regente da corte. Vivendo no castelo da princesa Carolyne, que aguardava a anulação de seu casamento, dividia seu tempo entre a leitura, a regência e a composição. Transformaria esta cidade num dos principais centros musicais da Europa. Ali desenvolveu intensa atividade pela divulgação das obras de seus contemporâneos. Foi durante este período em Weimar que travou conhecimento com Richard Wagner, estabelecendo-se entre os dois uma sólida amizade. Foi graças a Liszt que Wagner teve suas primeiras óperas encenadas.

No plano doméstico, Liszt viu frustrada a sua tentativa de casamento com Carolyne, pois esta não conseguiu obter do Vaticano a anulação de seu casamento. E quando, em 1864, a princesa enviuvou, ambos já haviam renunciado ao projeto de casamento.

Em 1865, Liszt entra, finalmente para a Ordem dos Franciscanos, em Roma. Mas suas ordens menores não o impedem de levar a vida de sempre: compor, lecionar, tocar e reger, além de despertar paixões em corações femininos. Paris e Londres são as últimas cidades a aplaudi-lo.
Mas estas viagens cansam-no bastante. Já debilitado, contrariando as ordens de seu médico, vai a Bayreuth, em julho de 1886, para assistir à apresentação da ópera Tristão e Isolda de seu amigo Wagner, e presencia o triunfo do compositor. O esforço da viagem causa-lhe profundo esgotamento físico. A 31 de julho de 1886, alguns dias de completar 75 anos, já atacado pela pneumonia, Liszt entra em crise aguda de delírio e expira. Morre como viveu, voltado para a arte: antes de dar o último suspiro, balbucia o nome Tristão - uma das maiores criações do gênero humano.

A obra de Liszt

O nome de Liszt ocupa lugar de destaque dentro da história da música como um inovador que foi. Romântico pôr excelência, rompeu com todos os cânones do Classicismo, estabelecendo novos padrões de estilo. Ao mesmo tempo, sua obra contém já os germes do cromatismo wagneriano, do impressionismo debussysta e de muitas tendências estéticas modernas. Sua meta foi encontrar uma linguagem própria, fazendo uma equilibrada e criativa síntese das principais conquistas de seus contemporâneos.

Liszt revolucionou a música de seu tempo. Quando se pensa no Liszt compositor, é sempre necessário lembrar, antes de tudo, que ele foi um virtuose do piano e que dominava completamente sua técnica. Liszt foi o primeiro músico a explorar todas as potencialidades do instrumento,atingindo dimensões orquestrais. Pode-se afirmar que Liszt se deve a moderna técnica do piano. Criou uma série de recursos técnicos: a utilização das sete oitavas (glissandos, escalas, harpejos, acordes), o que retundou na ampliação do espaço sonoro; a exploração de todos os matizes dos registros graves e dos agudos; o enriquecimento da sonoridade, através da escrita em oitavas. Pôr outro lado, a tendência orquestral de Liszt levou-o, também, a utilizar rápidas sucessões de notas; abundância de trinados em terças e sextas; glissandos em notas simples ou duplas; notas repetidas; pequenas apojaturas, trêmulos, grandes saltos de intervalo.

Além disso, Liszt aperfeiçoou a técnica pianística ao dar maior relevo à mão esquerda que em sua obra tem a mesma importância que a direita, sendo muitas vezes usada em passagens solo,com o emprego constante de mãos alternadas e cruzadas.

Principais obras para o piano: Anos de Peregrinação, Estudos Transcendentais, Seis Estudos de Concerto, Sonata em Si Menor, Harmonias Poéticas e Religiosas, Seis Consolações, Valsa Mefisto, dois Concertos para Piano e orquestra, etc.

O tratamento que Liszt deu à orquestra não foi menos original que o recebido pelo piano.

Muito rica, como a maioria das instrumentações dos românticos, em Liszt a orquestração nunca é excessivamente pesada. Entre as principais inovações que caracterizam sua arte sinfônica, incluem-se o tratamento especial dado a cada instrumento, explorando-o em todas as possibilidades de timbre - grande ousadia para a época - o relevo dado à percussão, ao introduzir instrumentos com efeitos especiais, como o triângulo como instrumento solista (Concerto N. 1 para Piano e Orquestra); o uso inovador de glissandos na harpa, procedimento do qual os impressionistas tanto abusariam.

Mas, a maior contribuição de Liszt para a música de programa foi a fixação dos princípios estéticos do poema sinfônico como música de caráter mais psicológico do que descritivo.

Principais obras para a Orquestra: Poemas Sinfônicos, Rapsódias Húngaras, Sinfonia Dante, Sinfonia Fausto.

domingo, 21 de outubro de 2007

Diferenças étnicas: questão de sorte


Se você precisa de alguém para jogar quantidades monumentais de esterco no ventilador, James “Honest Jim” Watson costuma ser o homem ideal para o serviço. Na semana que passou voltamos a ter abundantes motivos para assim classificar esse vencedor do Nobel e co-descobridor da estrutura do DNA, com seus 79 aninhos (mas corpinho de 78 e cabecinha de, bem, uns 150). A não ser que você tenha passado os últimos dias em Marte, deve ter ficado sabendo do bafafá. O americano Watson foi manchete no mundo inteiro ao declarar a um jornal britânico que os problemas sociais e econômicos da África poderiam ser explicados, em parte, por uma possível diferença inata de inteligência entre os africanos e o resto da população mundial, e que qualquer um que já tivesse lidado com empregados negros sabe que eles não são lá muito espertos. (Estou parafraseando, mas me atendo de perto ao conteúdo do que ele disse.)

Não tem nada de muito novo no que Watson vomitou, infelizmente. Digo isso de coração partido, mas o nascimento da genética como ciência, no fim do século 19 e começo do século 20, esteve muito ligado a idéias racistas e à defesa da eugenia, e é bem possível que Watson esteja apenas falando como alguém se que insere dentro dessa tradição intelectual, e não como alguém particularmente preconceituoso ou malevolente. A questão é: por mais politicamente incorreto que Honest Jim seja, ele tem alguma base científica para dizer o que está dizendo?

Creio que, se pesarmos o melhor conjunto possível de evidências, a resposta é um “não” de estourar os tímpanos. Mas não pretendo seguir o caminho tradicional para apoiar essa idéia. Esta coluna não é sobre a dificuldade de medir inteligência com critérios numéricos (em resumo: o QI é uma farsa). Não é sobre a falta de controle em experimentos com humanos (inclusive os eticamente complicados, do tipo forçar uma família branca a criar um negro e uma negra a criar um branco e então comparar os resultados). Não quero abordar nem mesmo o impacto de fatores ambientais e econômicos, e até o do ambiente uterino diferenciado, no desenvolvimento da inteligência. A minha cotovelada em Watson vai por outro caminho e tem três bases: formato dos continentes, agricultura e pecuária.

Acredite: do ponto de vista científico, essas coisas ajudam muito mais a explicar porque brancos e asiáticos do Extremo Oriente (e não negros ou indígenas) são os grupos étnicos mais poderosos do mundo hoje do que as intermináveis tabelas de testes de QI das quais Watson tanto gosta. Temos razões um bocado boas para achar que acidentes da biogeografia da Terra, e não alguma vaga superioridade intelectual nascida dos genes, transformaram alguns povos em dominadores e outros em dominados. Com o perdão da expressão, não foi mérito – foi puro rabo mesmo.

Sementes – e cascos – da vitória

Meu guru nessa visão subversiva da saga humana é o biogeógrafo americano Jared Diamond, da Universidade da Califórnia em Los Angeles. Com seus alertas sobre os riscos da degradação ambiental para a humanidade, o último livro de Diamond, “Colapso”, andou fazendo sucesso. Mas sua melhor obra continua sendo mesmo “Armas, Germes e Aço”, que por coincidência está fazendo dez anos de publicação. No livro, Diamond faz a mãe de todas as perguntas quando se trata de história: porque algumas civilizações triunfam e outras são esmagadas?

A resposta “proximal”, ou seja, a que engloba as causas mais imediatas do triunfo civilizacional, está no título do livro, e não é preciso ser o gênio da lâmpada para formulá-la. Os povos que triunfaram tinham melhor armamento, transmitiam doenças mais ferozes e contavam com melhor tecnologia. Os portugueses tinham espadas de aço, caravelas, canhões e a varíola (entre outras delícias do mundo microbiano); os tupinambás só contavam com flechas e tacapes e não tinham uma epidemia que prestasse para transmitir. “Dã”, diria você.

Por sorte, Diamond não se limita à resposta proximal. “OK”, pergunta-se ele, “quais foram as causas últimas que fizeram com que só alguns povos tivessem tudo isso? Como foi possível 'semear' armas, germes e aço ao longo da história?”

Anote estas três palavrinhas: “produção de alimentos”. Epidemias malvadonas, tecnologia, sociedades altamente organizadas e eficientes e armas letais são claramente o resultado, em última instância, da capacidade de produzir alimentos numa escala bem mais elevada do que a natureza, sem uma mãozinha humana, é capaz de providenciar. As sociedades que foram as pioneiras em desenvolver ou adotar a agricultura e a criação de grandes animais domésticos tiveram, portanto, uma vantagem inicial que foi se tornando cada vez mais difícil de suplantar.

Não é difícil entender o porquê disso. Até cerca de 12 mil anos atrás, não havia uma única sociedade no planeta que dependesse da produção de alimentos para sobreviver. Éramos todos caçadores-coletores, um modo de vida que ainda existe entre tribos isoladas da Amazônia, da África Equatorial e da Nova Guiné. Em muitos aspectos, a vida de caçador-coletor era mais equilibrada e menos estressante do que a dos agricultores e pecuaristas pré-modernos, mas ela tem uma desvantagem óbvia: os recursos naturais não-cultivados, em geral, alimentam muito menos gente por hectare. Enquanto só 0,1% da biomassa de um ambiente natural costuma ser comestível para seres humanos, a agropecuária pode fazer esse potencial subir para 90%.

Mais comida por hectare significa mais gente por hectare. Qualquer tribo de agricultores primitivos levava, portanto, uma vantagem demográfica indiscutível sobre seus vizinhos que ainda viviam da caça e da coleta. E a densidade de gente tem outros fatores secundários ainda mais promissores. O excedente da produção podia “libertar” boa parte da população da necessidade de cultivar pessoalmente sua própria comida. Alguns podiam virar artesãos, outros sacerdotes – e os mais espertalhões poderiam montar a primeira pirâmide social da história, virando chefes.

Especialização cultural e tecnológica e hierarquização da sociedade são, portanto, alguns dos frutos de segunda estação da vida pós-agricultura. Há mais, porém. Criar animais no mundo pré-moderno significa um contato muito próximo com os bichos. Esse contato permitiu a transmissão de microrganismos das vacas, ovelhas, cabras e cavalos para nós – micróbios que são os ancestrais das piores doenças infecciosas da história, como a varíola, a tuberculose, a gripe e o sarampo. A população densa de humanos possibilitou que essas doenças virassem as primeiras epidemias assassinas – antes, um surto de doença não tinha como viajar a grandes distâncias, porque a baixa densidade demográfica dos caçadores-coletores efetivamente barrava a transmissão epidêmica de um grupo a outro. Agora, porém, os microrganismos tinham uma vasta colheita humana a ceifar.

Ao longo do tempo, porém, as tribos de agricultores tendiam a desenvolver resistência às epidemias – quando não tinha imunidade morria, e quem sobrevivia passava essa imunidade a seus descendentes. De quebra, os bichos domésticos também puxavam arados que aumentavam a eficiência agrícola, melhoravam a qualidade da dieta, forneciam couro e outras matérias-primas e ainda funcionavam como tanques de guerra, como no caso dos cavalos.

Quem tem e quem não tem

Tudo isso parece bastante lógico, como você deve ter admitido. Mas ainda persiste um problema óbvio. No Oriente Médio e na China, a domesticação de plantas e animais aconteceu há cerca de 10 mil anos, e demorou poucos milhares de anos para se espalhar pela Europa toda e por grande parte da Ásia. Na América, porém, esse evento só veio há pouco mais de 5.500 anos; na África, há uns 7.000 anos; e a Austrália só passou a ser cultivada no século 18, com a chegada de colonos europeus. Por que o atraso? Por que a dificuldade? Será que os povo não-eurasiáticos sofriam de algum tabu cultural para abandonar a caça e a coleta, ou simplesmente eram burros demais para ter essa idéia logo?

Tudo indica que não é nada disso. Acontece que, por sorte ou azar, algumas regiões do mundo simplesmente foram dotadas pela evolução com um número desproporcionalmente maior de espécies vegetais e animais que já estavam “pré-adaptadas” para a domsticação, digamos assim.

Comecemos pelas plantas. Os primeiros vegetais a serem cultivados no Oriente Médio são cereais anuais, ou seja, que podem ser colhidos com abundância todos os anos – não era preciso plantar uma árvore e esperar um tempão de barriga vazia antes que ela desse frutos. Também são plantas com alto teor calórico e uma quantidade boa de proteína, como é o caso do trigo. Finalmente, são capazes de polinizar a si mesmas, o que facilita a produção. E possuem grãos relativamente grandes, o que faz valer mais a pena recolhê-las na natureza.

Bem, acontece que há uma brutal desigualdade na distribuição das plantas com essas características ideais ao redor do globo. Um estudo que catalogou as 56 espécies de gramíneas selvagens com as maiores sementes do planeta mostrou que nada menos que 38 delas estão na região do Mediterrâneo (32 desse total) ou no Extremo Oriente. É uma lavada absurda, quando se considera que todo o continente americano tem só 11 dessas espécies na natureza, a África abaixo do Saara só quatro e a Austrália só duas. Os antigos mesopotâmios e chineses simplesmente tinham mais matéria-prima para trabalhar quando suas sociedades ficaram prontas para partir para a agricultura.

O mesmo cenário, aliás, repete-se no caso dos grandes mamíferos – bichos com mais de 50 kg que se tornariam a base das civilizações antigas, como vacas, cabras, ovelhas e cavalos. Desses bichos, a Europa e a Ásia tinham 72 espécies, a África Subsaariana 51, as Américas 24 e a coitada da Austrália, apenas uma espécie. A maior variedade simplesmente multiplicou as chances de que os antigos eurasiáticos achassem mamíferos que se prestam à domesticação – bichos cujos ancestrais selvagens eram relativamente pouco agressivos, com uma hierarquia social que podia ser cooptada pelos humanos, capazes de viver em confinamento relativo, de crescimento relativamente rápido e dieta não muito exigente. De novo, sorte pura.

“OK”, você poderá dizer, “tudo isso explica por que a China e o Oriente Médio criaram civilizações antes das Américas e da África abaixo do Saara. Mas não por que os europeus acabaram se tornando historicamente dominantes?”

Mais uma vez, o acaso geográfico interveio em favor dos habitantes da Europa. Pegue um mapa da Europa e da Ásia e compare com os mapas das Américas e da África. Repare no eixo predominante das distâncias – na Eurásia, o comprimento é maior de leste a oeste, enquanto o continente americano e o africano são mais compridos de norte a sul. E isso pode ter feito toda a diferença.

Eu explico: numa faixa imensa, que vai de Portugal no oeste ao Japão no leste (com algumas interrupções causadas por montanhas e desertos, é verdade), a latitude é a mesma, e portanto a maioria das variáveis do clima e da duração das estações também. Isso significa que os europeus não tiveram a menor dificuldade de simplesmente importar o pacote pronto de animais domésticos e culturas agrícolas do Oriente Médio, e pelo menos parte desse pacote também pode se difundir para o leste – afinal, plantas e animais não precisavam se adaptar a climas fundamentalmente diferentes dos de sua região nativa.

Compare essa situação relativamente fácil com o que acontece nas Américas, por exemplo. Plantas e animais precisavam atravessar um imenso gradiente de latitudes e climas para circular pelo continente. Embora isso não tornasse as coisas impossíveis – afinal, o milho do México acabou sendo cultivado tanto pelos índios brasileiros quanto pelos povos do leste dos atuais Estados Unidos –, atrapalhava um bocado. O único mamífero de grande porte domesticado no nosso continente, a lhama, nunca deixou os confins de seu habitat andino para carregar mercadorias em seu lombo em outros lugares.

As barreiras diretas para plantas e animais acabavam se convertendo em barreiras indiretas para culturas, tecnologias e idéias. Para dar um exemplo simples, os Reis Católicos da Espanha, Fernando e Isabel, não só financiaram a viagem de Colombo como sabiam muito bem que Constantinopla era governada pelos turcos. Já o Império Inca do Peru e o Império Asteca do México muito provavelmente não tinham a menor idéia da existência um do outro.

A conectividade proporcionada pelo eixo continental leste-oeste da Eurásia provavelmente é um dos fatores-chave para o rápido intercâmbio e competição de bens e idéias que fez da região o principal celeiro de inovação tecnológica e cultural da história humana. Os europeus tiveram a sorte de estar posicionados perto dos grandes centros de origem da produção de alimentos e de contarem com um ambiente natural ao mesmo tempo favorável à revolução agropecuária e menos vulnerável que o do Oriente Médio, onde a degradação ambiental logo atrapalhou os frutos da agricultura.

E, assim, foi com o trigo da Mesopotâmia, os cavalos do mar Negro, o ferro dos assírios e a pólvora chinesa que os brancos conseguiram sua supremacia mundial. A coisa poderia ter sido diferente? Sem dúvida. O imperador chinês decidiu que não queria mais viagens transoceânicas de sua frota no século 15, impedindo que os orientais alcançassem muito antes a preponderância que ameaçam assumir hoje.

De qualquer maneira, que a multidão de dados empíricos e bem-costurados acima sirva de lição para quem busca soluções fáceis para explicar a situação lastimável dos povos não-brancos hoje. A derrota deles não teve absolutamente nada a ver com inteligência inata. E usar um argumento desses para se vangloriar é um desserviço ao passado e, principalmente, ao futuro.

Meu pós-escrito, desta vez, é um convite à leitura de um livro soberbo:

A pergunta inocente de um nativo da Papua Nova Guiné, em 1974, fez com que o escritor Jared Diamond desenvolvesse toda a teoria que permeia seu premiado livro, "Armas, Germes e Aço", sempre tentando solucionar o maior mistério da história da humanidade - por que algumas sociedades florescem mais do que as outras? Se você acha que a história é só um fato depois do outro, abra esse livro e surpreenda-se.

Baseado na obra vencedora do referido prêmio Pulitzer, o documentário em três partes da National Geographic "A Evolução da Humanidade - Armas, Germes e Aço" traça a jornada dos seres humanos nos últimos 13.000 anos - desde o nascimento da agricultura, no final da Era Glacial, até a realidade da vida no século 21. Gravado em quatro continentes, mistura gravações atuais, entrevistas com historiadores, arqueólogos e cientistas, reconstrução histórica e animação computadorizada.

Reinaldo José Lopes
Reporter da editoria de Ciência e Saúde do G1

A verdadeira história de Schulz e Charlie Brown


Recém-lançada, obra destrincha trajetória de um dos maiores artistas dos EUA.

Charles Schulz, o criador da tira "Peanuts" (mais conhecida no Brasil por “Snoopy”), costumava dizer que desejaria ser Andrew Wyeth. O que Wyeth fez foi arte de verdade, resmungava ele, que se via apenas como um cartunista de jornal, um desenhista , cujo trabalho não permaneceria. Mas a verdade é que hoje a sua obra – destrinchada no recém-lançado “Peanuts and Schulz: A biography” (Harper Collins, 665 p., importado) - é lida por muito mais gente do que as que viram o trabalho de Wyeth.

Quando apareceu, nos anos 40, Schulz transformou completamente as tiras de jornais, reduzindo seus tipos infantis a quase abstrações - grandes cabeças redondas se equilibrando em corpos minúsculos. Diferentemente de seus pares nos quadrinhos, as tiras de “Peanuts” conseguiam registrar emoções adultas, como ansiedade, depressão e desilusão.

"Peanuts" foi amado por todo mundo: por "descolados", universitários (nos anos 60 especialmente); por presidentes (Ronald Reagan escreveu uma vez um bilhete de fã para Schulz, dizendo que se identificava com Charlie Brown); pelos astronautas da Apollo 10, que deram o nome de Charlie e Snoopy a seus veículos de órbita e de pouso. No seu auge, a tirinha atingia 300 milhões de pessoas em 75 países e 21 línguas todo dia. Os vários especiais animados para a TV continuam chegando ao topo das pesquisas (norte-americanas) de audiência sempre que são levados ao ar, e o musical "Você é um cara legal, Charlie Brown", depois de ter lotação esgotada durante quatro anos na Broadway, agora é uma peça básica de colégios e produções de teatro amadoras - o musical mais produzido de todos os tempos.

O sucesso dos quadrinhos e de seus subprodutos - calendários, lençóis, lancheiras, canecas e tantos outros - fez de Schulz um homem extremamente rico. Nos anos 80 ele era um dos dez artistas mais bem pagos da América, bem próximo de Oprah e de Michael Jackson. Na verdade, se chamarmos de artista alguém que pinta ou desenha, não é demais dizer que Charles Schulz foi o artista americano mais popular e bem-sucedido que já existiu. E foi também, segundo mostra a biografia de David Michaelis, um dos mais solitários e infelizes.

Como Michaelis mostra, "Peanuts" era quase transparentemente biográfica. Houve mesmo uma inatingível Garota-ruiva. Seu nome era Donna Mae Johnson, e ela rechaçou Schulz em julho de 1950. Ele amargou a rejeição por toda sua vida. Charlie Brown, sem-graça, desiludido, mas secretamente ambicioso, era o próprio artista, claro, assim como Linus, o esquisito, e Schroeder, meticuloso e talentoso. E acima de tudo, Schulz era também Snoopy, com seus delírios, suas fantasias, seu sentimento de ser sempre incompreendido e desvalorizado. Violeta, com suas vibrações maléficas, e Lucy, mandona, impaciente e sarcástica, eram todas as mulheres controladoras e repressivas da vida do artista, especialmente sua mãe e sua primeira esposa, Joyce.

Mas, exceto pelas tiras, Schulz deixou poucas pistas sobre o que estava se passando lá dentro de sua cabeça. Mesmo que tenha sido um dos primeiros a introduzir temas psicológicos nos quadrinhos, com Lucy e seu quiosque psiquiátrico de plantão, ele era decididamente não-analítico, sua natureza era um mistério tanto para ele quanto para todo mundo." Levei muito tempo para me tornar um ser humano", disse Schulz ao entrevistador de uma revista em 1987.

As pessoas que conheciam Schulz geralmente o chamavam de Sparky (cintilante), apelido dado por um tio a ele quando nasceu em referência a um personagem de outra tira de quadrinhos. Era um apelido ironicamente inapropriado - não havia nada de cintilante no jovem Sparky, que era miúdo, tímido, estranho - e fiel ao mesmo tempo, vinculando-o, desde pequeno, ao que escolheu como o trabalho da sua vida : produzir quadrinhos diários para jornal.

Schulz nasceu e cresceu num bairro de classe operaria. Seu pai, nascido na Alemanha, falava alemão em casa e tinha uma barbearia (assim como o pai de Charlie Brown). Sua mãe, que nunca completou o primário, veio de uma família de fazendeiros noruegueses casmurros e beberrões, e era uma dessas pessoas que se sentem inadequadas e superiores ao mesmo tempo. Michaelis a descreve como sendo fria, distante, cínica e insolente, e a culpa por muitas das angústias de Sparky, especialmente por seu sentimento constante de não ser amado o suficiente.

Schulz foi criado num ambiente sufocante, regido pela igreja e pela família, onde a leitura de livros era vista como algo estranho e onde as crianças, longe de estarem acima da média, eram desencorajadas a desenvolver sua auto-estima.

Tendo entrado cedo na escola primária, Schulz estava sempre um ano à frente dos demais colegas, o que fez com que pelo resto da sua carreira escolar fosse sempre o menor, o mais franzino e a criança mais estranha da classe. Mesmo sendo um jogador decente de hockey e bom o suficiente em golfe para ser o número 2 no time da escola, quando chegou ao segundo grau Schulz estava tão tomado pela timidez que passava quase invisível. "Eu não era realmente odiado ", diria ele mais tarde. "Ninguém se importava muito comigo".

Sua chance de aparecer foi perdida quando os quadrinhos que desenhou para o álbum anual da escola foram inexplicavelmente rejeitados - uma rejeição que ele nunca perdoou, assim como não perdoou as garotas que não notaram que ele as adorava à distância.

Ao término da graduação, sua timidez e insegurança o impediram de freqüentar a faculdade de artes e o empurraram para um curso por correspondência na Art Instruction Inc., o tipo de escola que ensinava a fazer anúncios no verso de caixas de fósforo. (Ele achou as lições tão instrutivas que eventualmente se juntou ao corpo docente e anos depois fez parte do conselho da instituição).

Em 1942 Schulz foi convocado para a guerra e, desconsolado e aterrorizado, foi para o quartel logo depois que sua mãe faleceu. Mas, na verdade, ele foi bem sucedido no exército e voltou mais confiante em si mesmo. Começou até a sair com garotas - mesmo que achasse que o presente adequado para elas fosse uma Bíblia. (Toda sua vida Schulz foi o mais enquadrado possível: ele não fumava, não bebia ou falava palavrões, inspirado no fato de que Jesus também não fazia nada dessas coisas. O vinho de Canaã, o jovem Sparky costumava afirmar, era não-alcoólico).

Em 1951 Schulz casou-se com Joyce Halverson, uma mulher de 22 anos divorciada, com uma filha pequena de um casamento equivocado e curto com um cowboy. Ele tratou de adotar a filha, Meredith, e passou a dizer que ela era sua, mesmo quando a adolescente começou a fazer perguntas delicadas. De certo modo, era provàvelmente um casamento de conveniência para ambos, mas por um tempo foi feliz o suficiente, e eles tiveram quatro filhos juntos. Sparky, contudo, era um pai e marido muitas vezes desatento e indiferente, por estar absorvido em si mesmo e alimentando secretamente grandes ambições - era casado com seu trabalho na verdade.

Depois de muitas rejeições e falsos começos, ele finalmente tinha um quadrinho semanal chamado "Li'l Folks" publicado na “St. Paul Pioneer Press”, e que passou a ser distribuído no país em1950 pela United Feature, que insistiu para que o título fosse mudado para "Peanuts". Schulz odiava o nome mas concordou, adicionando isso a sua lista sempre crescente de mágoas. Ele pensou inicialmente em fazer quadrinhos de ação, mas começou a desenhar crianças porque isso parecia vender bem. As primeiras tiras já chegavam ao que hoje parece ser o autêntico tom emocional "schulziano" - "Sim, senhor! Velho Charlie Brown.... Como o odeio!" - mas levou mais tempo para o desenho evoluir, para as cabeças dos personagens crescerem e os membros encolherem.

"Peanuts" teve um crescimento lento no início. Emplacou nos anos 60, quando parecia falar quase acidentalmente para todos que vivenciavam o hiato de gerações. Em seguida, quase afundou em uma rodada de licenciamentos para uma maré de bugigangas envolvendo os nomes dos personagens. Schulz dizia "sim" para tudo, por mais popularesco que fosse - brinquedos, cartões, livros, camisetas - até o ponto em que mesmo seus fãs começaram a reclamar que ele estava se vendendo barato.

O que salvou a tirinha, sugere Michaelis, foi a transformação de Snoopy em personagem principal no final dos anos 60, e a maneira como a vida surreal e fantástica do cãozinho de Charlie Brown passava a dominar os quadrinhos.

À essa altura, Schulz, sua mulher e filha viviam na Califórnia do Sul, numa Disneylândia privada, com direito a estábulos, mini-campos de golfe e o ringue de patinação no gelo. Apesar de seu sucesso, Schulz andava irritadiço, sozinho, deprimido, e cada vez mais sujeito a ataques de pânico; Joyce se sentia sobrecarregada e pouco valorizada. As brigas entre eles, seus períodos de frieza mútuos, inspiraram alguns dos quadrinhos de “Peanuts”- as tiras em que Charlie e Lucy parecem presos na eterna luta homem/mulher, e onde ela sempre leva a melhor.

À medida que entrava na meia-idade, Schulz ganhou corpo, parou de usar corte de cabelo militar e descobriu que era até atraente para as mulheres. Nesse período, revela a biografia, o criador de Snoopy teve uma relação extra-conjugal séria, e em 1973, um ano mais ou menos depois de se divorciar de Joyce, se casou com Elisabeth Jean Forsyth, dezesseis anos mais jovem que ele, que tinha encontrado – onde mais poderia ser? - numa pista de patinação no gelo.

Este segundo casamento foi mais feliz, devido ao empenho maior de Jeannie, como ela era conhecida. Mas Schulz ficava muitas vezes reservado e de humor alterado, e não deixava de flertar compulsivamente.

Mas a vida de Schulz é uma história clássica americana: a do gênio solitário e não compreendido que se apega a seus sonhos, consegue riqueza e fama, e descobre que elas não o fazem feliz no final. O fato de ter escolhido os quadrinhos como seu veículo o vincula, por um lado, a figuras pioneiras e igualmente não compreendidas como Winsor MCay, criador de “Little Nemo”, e George Harriman, pai de “Krazy Kat”. Por outro lado, sua carreira também lembra a de nomes ainda atuantes nas histórias em quadrinhos como R. Crumb, Chris Ware e o artista gráfico Seth - que está editando no momento a coleção completa das obras de "Peanuts” para a Fantagraphics -, artistas com os quais partilha temas como os da solidão, da perda e da incapacidade de fazer conexões.O Jimmy Corrigan de Ware é em muitos aspectos o próprio Charlie Brown transformado, ainda que adolescente, em um velho precoce. E em Crumb podemos ver o que Schulz poderia ter sido se tivesse conseguido deixar sua raiva de lado.

Michaelis, que contou com a cooperação da família Schulz para obter as informações para a biografia, conta esta história com brilho e de maneira envolvente, e, em geral, de modo sucinto e sem repetições. Encontramos bem menos do que se poderia esperar sobre a rica tradição americana de tiras de jornais que gerou Schulz, e mais sobre assuntos como os padrões de metástase de um câncer cervical (doença que matou a mãe de Schulz). Mas, ao longo de seu livro, Michaelis mantém o afeto pelo seu biografado, sem perder de vista o quão exasperador e narcisista Schulz podia ser também.

Mas talvez a atitude mais sensata de Michaelis tenha sido a de apimentar as páginas da biografia com as próprias tiras de "Peanuts", dúzias delas, geralmente sem comentários ou notas de pé de página ou mesmo datas. Com isso, o autor consegue nos lembrar continuamente da importância do biografado e do potencial não apenas humorístico, mas de sentimentos e de eloqüência, que reside estranhamente nesta forma de arte onde Schulz construiu sua morada.

New York Times

O que move a Humanidade

Existem muitas teorias sobre o que fez o Homem dominar o planeta e construir civilizações enquanto o joão de barro, por exemplo, só consegue construir conjugados, e levar grandes mulheres para a cama enquanto o máximo que um gorila conseguiu foi segurar a mão da Sigourney Weaver. Dizem que o cavalo é mais bonito do que o Homem e a barata é mais resistente, mas não há notícia de uma fuga a tres vozes composta por um cavalo ou uma liga de aço inventada por uma barata. Tudo se deveria ao fato de uma linhagem particular de macacos ter desenvolvido o dedão opositor, com o qual conseguiu descascar uma banana e segurar um tacape, as condições primordiais para dominar o mundo. A vaidade, outra característica exclusivamente humana (o pavão também é vaidoso, mas não gasta uma fortuna com as penas dos outros para fazer sua cauda) também teria contribuido para que o Homem prevalecesse, pois de nada lhe adiantariam suas façanhas com o polegar, e com as mulheres, se não pudesse contar depois. Dai nasceu a linguagem, e com ela a mentira, e Homem estava feito.

Mas eu acho que a verdadeira força motriz do desenvolvimento humano, a razão da superioridade e do sucesso do Homem, foi a preguiça. Com a possivel exceção da própria preguiça, nenhum outro animal é tão preguiçoso quanto o Homem. O desenvolvimento do dedão opositor nasceu da preguiça de combinar dentes e garras para comer e ainda ter que limpar os farelos do peito depois. A linguagem é fruto da preguiça de roncar, grunhir, pular e bater no peito para se comunicar com os outros e, mesmo, ninguém aguentava mais mímica. A técnica é fruto da preguiça. O que são o estilingue, a flecha e a lança senão maneiras de não precisar ir lá e esgoelar a caça ou um semelhante com as mãos, arriscando-se a levar a pior e perder a viagem? O que estaria pensando o inventor da roda senão no eventual desenvolvimento da charrete que,atrelada a um animal menos preguiçoso do que ele, o levaria a toda parte sem que ele precisase correr ou caminhar? Dizem que a agressividade e o gosto pela guerra determinaram o avanço científico da humanidade e se é verdade que a maioria das invenções modernas nasceu da necessidade militar, também é verdade que o objetivo de cada nova arma era o de diminuir o esforço necessario para matar os outros. O produto supremo da ciência militar, o foguete intercontinental com ogivas nucleares múltiplas, é uma obra prima da preguiça aplicada: apertando-se um único botão se mata milhões de outros sem sair da poltrona. Uma combinação perfeita do instinto assassino e do comodismo. A apoteóse do dedão.

Toda a história das telecomunicações, desde os tambores tribais e seus códigos primitivos até os sinais de TV e a internet, se deve ao desejo humano de enviar a mensagem em vez de ir entregá-la pessoalmente ou mandar um guri resmungão. A fome de riqueza e poder do Homem não passa da vontade de poder mandar outros fazerem o que ele tem preguiça de fazer, seja trazer os seus chinelos ou construir as suas pirâmides. A quimica moderna á‚á filha da alquimia, que era a tentativa de ter o ouro sem ter que procurá-lo, ou trabalhar para merecê-lo. A fisica e a filosofia são produtos da contemplação, que é um subproduto da indolência e uma alternativa para a sesta. A grande arte também se deve à preguiça. Não por acaso, o que é considerada a maior realizaçao da melhor época da arte ocidental, o teto da Capela Sistina, foi feita pelo Michelangelo deitado. Proust escreveu o "Em busca do tempo perdido" deitado. Vá lá, recostado. As duas maiores invenções contemporâneas, depois do antibiótico e do microchip, que são a escada rolante e o manobrista, devem sua existência à preguiça. E não vamos nem falar no controle remoto.

(Se você não desistiu na segunda linha e leu até aqui é porque não tem preguiça. Conheço o seu tipo. É gente como você que causa os problemas do mundo. São vocês que descobrem quando o autor está com preguiça e reaproveita um texto antigo. E isso não é humano!)

Luis Fernando Veríssimo
 
Locations of visitors to this page